[ editar artigo]

Charcutaria com Peixe é possível?

Charcutaria com Peixe é possível?

Há algum tempo venho lendo muito, pesquisando e tentando desvendar os conceitos por trás do uso da proteína de peixe na Charcutaria. 

Sabemos que a história conta que o uso do peixe foi amplamente desenvolvida, em lugares com abundância dessa proteina. Temos o clássico Gravlax (ver como fazer), um salmão curado e defumado que era enterrado com sal para prolongar sua vida útil e permanecer apta para consumo, e muitas outras técnicas como a bottarga, um curado de ovas que é atualmente é amplamente utilizando na alta gastronomia. 

E durante todos esses anos que estudo e reproduzo produtos tradicionais sempre escapei um pouco do peixe, primeiramente por ter pouco adesão entre os apaixonados, pois o pessoal prefere começar com produtos que tem mais lembranças ou referências de sabor. E segundo porque a literatura disponível é limitadíssima.

Mas despois de algum tempo, decidí começar esse aprofundamento, inclusive fizemos um live com alunos para entender se realmente é seguro preservar carne de peixe com técnicas de charcutaria ou similares. 

Vou citar aqui alguns pontos interessante e relevantes que aprendi nesses primeiro contato. Sabemos que a carne de peixe, considerando em sua maioria é branca e não vermelha o que nos faz entender que não tem a proteína chamada mioglobina presente em carnes de cores avermelhadas como suína, bovina, ovina, etc...

A falta dessa proteína levanta a questão de uso ou não do sal de cura para proteção, pois sabemos que parte da reação do nitrito de sódio interage com a mioglobina e óxido nítrico proveniente da quebra do sal de cura produzindo a cor rósea (nitrosomioglobina) conhecida nos produtos da charcutaria.

Pois bem, pensando nessa linha, eu não necessito de sal de cura para tal, pois a carne não irá ficar mais avermelhada. Mas devo salientar que o motivo principal do sal de cura nunca foi deixar o embutiudo apenas de cor agradável, mas sim, de proteção contra o crescimento descontrolado de bactérias. Sabemos que o sal e sal de cura tem função bacteriostáticam, ou seja, retarda o crescimento de bactérias e exclusivamente para o sal de cura, ele inibe o crescimento de bactérias anaeróbias (que não necessitam oxigênio). 

Nessa função específica de combate a bactérias anaeróbicas, temos como principal delas o clostridium botulinum que podem produzir toxinas letais até mesmo para os seres humanos. 

Dito isso, a maior preocupação para uso de peixes continuava, assim como nas carnes vermelhas,  a contaminação por esse tipo de bactéria ou esporos e consequemente, em alguns produtos, um ambiente de pouca acidez e temperaturas amenas  causando problemas para os consumidores. Lendo mais um pouco, ví que existem fontes de clostridium nos sedimentos de lagos e mares é relativamente maior até mesmo que no solo como sabido.

Então como conclusão bem leviana desse primeiro contato masi embasado com o peixe, decidimos continuar usando sal de cura para proteção contra clostridium e suas consequencias. 

Baseado nisso fizemos a seguinte receita de Linguiça de Peixe. 

Encontre todos os ingredientes e insumos na loja.acava.com.br

Para 1 kg de linguiça:

Filé de Tilápia - 700g

Gordura Suína - 200g

Arroz cozido - 100g

Sal Fino Cava - 16g

Sal de cura BR#1 - 2,5g

Pimenta do Reino - 0,3%

Curry - 0,2%

Alho em Pó - 0,3%

Modo de Preparo: Moa a carne de peixe com a gordura em arroz em saída média (5-6mm) e mistura todos os ingredientes por 5 minutos.

Lembrando que a temperatura da massa deve estar sempre inferior a 14C. 

Ensaque em tripa suína de 30mm com gomos de 12cm. 

Mundo da Charcutaria
Equipe Cava
Equipe Cava Seguir

A Cava é um projeto desenvolvido para levar o conhecimento da Charcutaria Artesanal à todos que tenham interesse, de forma simples e didática.

Ler conteúdo completo
Indicados para você